22 abril 2017

Amortematica

.Amortematica
.
.
.
.
Há este desassossego
De os dois querermos ser um
Matemática impossível
Dirá quem nunca deixou de se amar
.
Pois isto de sermos outrem tira nos pé
.
.
.
.Borealis in Aurora

E agora

.E agora
.
.
.
.
Depois de tanto não querer
Eis que chegamos ao ponto final
Onde todas as promessas perdem sentido
E o até sempre encontra o seu fim
.
Esgotamos as desculpas esfarrapadas
Somente o silêncio parece fazer sentido
Acaba a seleção de palavras a dizer
Assim como o movimento dos corpos
.
E agora somos somente arrependimento
Resta o cúmulo do verbo querer
Não me quero a querer te
.
.
.
.Borealis in Aurora

14 abril 2017

Fim

.Fim
.
.
.
Preciso dizer-te que sou carência
a conjugação infinita do sou nada
cumulo de aquém e além vazio
.
Preciso gastar a minha voz
dizendo que és a massa critica
de todos os meus sonhos
.
Preciso cansar o meu caminho
indo para todos princípios
pois eu sempre fui fim
.
.
.
.Borealis in Aurora

Nada

.Nada
.
.
.
E do nada
vieram os teus cabelos ondulantes
a maresia dos  labios
tempero do desejo
,
E do nada
veio o azul dos sonhos
um dia haviamos de ser unos
rasgando o ceu infinito
.
E do nada
a luz pulsante dos teus olhos
que encontra em mim
tudo que não tenho
,
E do nada
acontece o impossivel
somos felizes
a prazo
.
.
.Borealis in Aurora

Partir

.Partir
.
.
.
.
Urge dizer-te fica
agora que tudo partiu
lamento o interregno
mas acordou-me a dor

Veio lembrar-me o doce
que outrora foi este amargo
o sorriso de todo tamanho
que era ver-me em ti

Preciso arrepender-me
percorrer o teu labirinto
na esperança do encontro
o teu nome grita em mim

Colecciono a tua sombra
que julgo ver em tudo que parte
.
.
.
.Borealis in Aurora

Arquivo do blogue

Acerca de mim